Douglas Dias
Douglas Dias
Novos tempos, novos caminhos

Olá amigos, chegamos ao limiar de um período e hoje esta é a última edição do espaço "By People" assinado por este colunista. A partir de amanhã, 1 de julho, o espaço será ocupado pelo Flávio Ricco. A direção desta empresa jornalística avaliou que diante do panorama de pandemia, deve fazer ajustes e, obedeço, porque além de parceiro, sei que será apenas uma fase de transição. Fui convidado a desenvolver um novo projeto e isso me anima, embora a tristeza de deixar, mesmo que temporariamente, um espaço que faz parte da minha vida. Mas o ânimo sempre me arrefece e não tenho medo de encarar novos desafios, a começar pelo terreno pouco explorado por mim, na área de comunicação eletrônica. Logo, os surpreenderei com as minhas postagens e meu espaço "tridimensionado" no Gdia. Agradeço a amizade, simpatia e carinho da legião de leitores que formei ao longo dos anos. Um abraço a todos e até o futuro, porque ele nos pertence!

Douglas Dias 


A beleza e a elegância de ISABEL Salvatti que, antes da pandemia,
ganharam destaque em um desses encontros sociais
 

Modulinea já está de portas abertas
Novo espaço, novos ambientes e um novo design. Venha conhecer o novo espaço Modulinea. Avenida José Maria de Brito, 980. Confira também pelo Facebook, Youtube e Instagram @modulineamoveis 

 

 

Chineses dão esperança às marcas de artigos de luxo

Os compradores chineses estão finalmente começando a comprar bolsas, sapatos e joias sofisticadas novamente, dando à indústria de artigos de luxo a esperança de que uma recuperação da pandemia de coronavírus esteja a caminho. A princípio, as principais marcas de artigos de luxo ainda enfrentam um caminho difícil pela frente e provavelmente terão que repensar a maneira como fazem negócios para suportar um impacto mundial prejudicial às vendas este ano. Assim como uma mudança nos hábitos de compra em muitas economias com recessão. No entanto, várias empresas de artigos de luxo relataram um aumento na China, quando as pessoas saíram depois de semanas de quarentena. Estimulando o que alguns analistas chamam de tendência de “gastos com vingança” – a liberação da demanda reprimida quando as pessoas não são obrigadas a ficar em casa. A Tiffany, nesta semana, apontou a China como um ponto positivo para seus negócios de jóias, dizendo que as vendas no varejo subiram cerca de 30% em abril e 90% em maio em comparação com os mesmos meses do ano passado. Em outras palavras, isso ocorreu apesar de uma queda de cerca de 40% nas vendas líquidas globais da Tiffany em maio. (Fonte: Desejo e luxo)


A beleza e a elegância de CLAUDINÉIA Pliacekos que, antes da pandemia, ganharam
destaque em um desses encontros sociais 

 

LUCIANA Zamecki e VALDECIR Müller marcaram presença em um desses eventos que, antes do isolamento social, reuniram nomes tradicionais da sociedade iguaçuense 
 
 

Paparazzi sentem o impacto da pandemia

Se o trabalho de boa parte dos artistas, como músicos, atores de teatro e de cinema, exige a presença física da população para assisti-los, os maiores inimigos das celebridades também precisam que tais pessoas famosas estejam nas ruas para que seu trabalho seja feito. Os paparazzi, fotógrafos de celebridades que alimentam revistas e sites com suas fotos de famosos, em cidades como Los Angeles, Nova York e até mesmo o Rio de Janeiro, sentem o impacto da pandemia sobre seus trabalhos, e uma reportagem do jornal New York Times investigou o impacto da crise sobre os paparazzi nos EUA. Segundo a reportagem, os efeitos do coronavírus sobre o mercado de fotos de famosos é amplo e devastador em diversos sentidos: além da redução dos valores oferecidos por uma foto por conta da crise econômica, a própria dinâmica da quarentena dificulta o pouco estimado ofício dos fotógrafos: a maior parte das celebridades saiu das grandes cidades, e as que seguem em Los Angeles ou Nova York estão em casa, e quando saem, nos locais permitidos, o fazem de máscara. Dessa forma, é difícil para os paparazzi até mesmo reconhecer uma celebridade nas ruas com o rosto coberto. Fotos que no final do ano passado poderiam valer centenas de dólares hoje são vendidas por algumas dezenas com pouco interesse do mercado. (Fonte: site Famosos no foco)

 


A elegância e a simpatia de MÁRCIA Sandi que, antes da pandemia, ganharam
destaque em um desses encontros sociais


MÁRCIA Fidélis e ELIS Broetto marcaram presença em um desses badalados
eventos que, antes do isolamento social, reuniram nomes tradicionais da sociedade iguaçuense

Em tempos de pandemia, as lives são a febre do momento

Durante o período de distanciamento físico adotado para tentar conter a pandemia da covid-19, o mundo está presenciando o crescimento exponencial de uma ferramenta que nunca foi o grande destaque das redes sociais: transmissões ao vivo. As lives estão atingindo recordes de audiência, e os motivos estão muito relacionados ao fato de o ser humano precisar de conexões: físicas
ou virtuais. No Brasil, o Instagram viu a audiência da ferramenta Ao Vivo dobrar nos últimos meses. Globalmente, a empresa já registra 800 milhões de usuários ativos diariamente no Facebook e Instagram utilizando o recurso. Já o TikTok ultrapassou 2 bilhões de downloads durante a pandemia. No Youtube, a busca pelo termo "lives" disparou desde o fim de março. Na plataforma de vídeos da
Google, o Brasil cravou seu nome no ranking global de shows ao vivo, com a cantora Marília Mendonça alcançando 3,3 milhões de acessos simultâneos e 40 milhões de visualizações apenas durante a transmissão em 8 de abril. (Fonte:  Tecmundo)

 


A simpatia e a elegância de HELENA Medeiros Cruz que,
antes da pandemia, ganharam destaque em um desses encontros sociais


LIS Eckert marcou presença em um desses badalados eventos que,
antes do isolamento social, reuniram nomes tradicionais da sociedade iguaçuense 

 

 

 

Qual será a roupa do futuro?

Sempre depois de grandes acontecimentos, a história da moda também se transforma. Foi assim quando acabou a Primeira Guerra Mundial. Coco Chanel racionalizou a estética e trouxe praticidade ao universo fashion feminino. Vieram peças emprestadas da indumentária masculina e, com elas, novos costumes e atribuições. Ao fim da Segunda Guerra, foi a vez de Christian Dior e seu New Look, resgatando justamente as formas do corpo feminino, as cinturas marcadas, as saias rodadas. É como se a beleza precisasse voltar para aquecer a alma.

E agora, como será a moda do pós-pandemia? Antes mesmo do surgimento da Covid-19, alguns estilistas trouxeram, nas últimas temporadas, peças que sugeriam isolamento social, proteção e distanciamento de corpos. 

O norueguês Fredrik Tjærandsen, por exemplo, fez uma coleção na Central Saint Martin, em maio de 2019, com vestidos-bolha, que se inflam, criando uma redoma em torno dos corpos, e se esvaziam. O desfile foi supercomentado, tamanha a inovação e a criatividade em imaginar um cenário tão apocalíptico. 

É como se a roupa dos novos tempos fosse beber no passado medieval para recriar sua estética. Como explicar que tudo isso tenha sido pensado antes da pandemia? Muitos atribuem essas coincidências ao chamado zeitgeist, termo alemão que significa espírito de um tempo e faz menção a um conjunto de ações intelectuais, culturais e artísticas que surgem num determinado período. 

O nosso tempo pede calma, consciência e mais responsabilidade. E a moda vai se adaptar
a isso. (Fonte: site Novos Tempos)

RAFAEL Guilete faz aniversário hoje e recebe os cumprimentos da família e dos amigos. Felicidades!


FRANCIELE Pedro marcou presença em um desses eventos que, antes do isolamento social, reuniram
nomes tradicionais da sociedade iguaçuense

Novidades sobre as semanas de moda mundo afora

A primeira novidade veio da Federação Francesa de Alta-Costura e Moda. O conselho cancelou a Semana de Moda masculina de Paris e também a Semana de Alta-costura, que ocorreriam entre 23 e 28 de julho e entre 5 e 9 de julho,
respectivamente. A São Paulo Fashion Week, que deveria ter ocorrido em abril, foi cancelada. Segundo o comunicado à imprensa, "a temporada SPFW N50,
celebrando os 25 anos do São Paulo Fashion Week, está mantida entre os dias 16 e 20 de outubro". Já no Reino Unido, a London Fashion Week vai ousar, em uma iniciativa pioneira, após 40 anos de história. Entre as cidades do grande
circuito da moda, Londres vai ser a primeira a apostar em um evento 100% digital para a próxima temporada. Sendo assim, a Semana de Moda de Londres está agendada para ocorrer entre 12 e 14 de julho de 2020, data que já estava
reservada para a London Fashion Week: Men's. O evento, entretanto, não terá divisão de gênero e, além disso, será aberto à indústria e também aos consumidores de moda. Em Xangai e Tóquio já aconteceram semanas de moda
100% online, nos meses de março e abril. (Fonte: site Questão de estilo)

 


A beleza e a simpatia de THAISSA Camacho que, antes da pandemia, ganharam destaque
em um desses encontros sociais

Sempre atentos em tudo, o jornalista ISMAEL Filadelphi e a produtora NAIR
Mattos mostrando as novidades da retomada do turismo em Foz do Iguaçu


 

Roupas sem costura: será este o futuro da moda?


Afinal, qual será o futuro da moda? As roupas sem costura feitas por máquinas de tricô 3D são a última tendência em moda fitness, casual,
lingerie e até calçados. Será este um inevitável caminho a ser tomado?
Marcas como Nike, Under Armor, Adidas, Benetton. entre outras, trabalham com um processo chamado de urdidura. É exatamente como
uma impressão 3D, mas feita por máquinas computadorizadas de tricô que produzem roupas sem costura a partir de uma imagem. Não existem poluição e desperdício de materiais no processo de fabricação e a peça já sai pronta, exigindo apenas acabamento. A Itália é a maior exportadora dessa tecnologia de urdidura contínua sem costura, e uma das suas principais fabricantes é a Santoni. Na primeira Revolução Industrial, as tecelagens substituíram os teares manuais operados por humanos por máquinas mecânicas. Agora, com a era da quarta Revolução Industrial, as máquinas compactas de tricô 3D substituem as tecelagens. A máquina SWD 6/2J da Santoni possui o tamanho de um refrigerador comercial e pode tecer quase qualquer peça de roupa, até mesmo camisas e casacos com mangas e calças compridas. Como as roupas são inteiramente projetadas por um software, as peças podem ser personalizadas com facilidade, fabricadas e depois enviadas mais rápido aos clientes. (Fonte: Fashion Network)

 

LOLI Cruz e ROSE Schuster marcaram presença em um desses badalados eventos que, antes
do isolamento social, reuniram nomes tradicionais da sociedade iguaçuense

 


A simpatia e a elegância de GIOVANNA Nakamura que, antes da pandemia, ganharam
destaque em um desses encontros sociais

O futuro das semanas de moda desperta opiniões diversas

Segundo matéria publicada pela Vogue britânica, marcas, produção, compradores e a imprensa devem sofrer um impacto, assim como os relacionamentos feitos durante o evento. Na mesma matéria, Michel Gaubert, responsável pelas trilhas sonoras de produções como Chanel, Dior e Valentino, opina: "A era do exagero nunca ser suficiente chegou ao fim, mas isso não significa que é o término dos desfiles de moda. Eles serão melhor avaliados e talvez menos extravagantes". Para o portal Business of Fashion, o renomado jornalista de moda italiana, Angelo Flaccavento, escreveu: "assim que recuperarmos nossas vidas, precisaremos da beleza, até de um pequeno toque, para viver novamente e não apenas sobreviver. E quando isso acontecer, o setor pode ter evoluído para o bem: saindo da armadilha do marketing e redescobrindo seu verdadeiro objetivo em beleza. A beleza como uma razão para o progresso e uma maneira, novamente, de ser verdadeiramente humano". Os desafios estão colocados e, sendo assim, é certo que as mudanças não vão parar por aí. Agora, é esperar para ver como essas grandes mentes criativas vão conduzir tudo isso, transformando e trazendo novos significados para as semanas de moda e para mercado fashion como um todo. (Fonte: site Futuro Fashion)

 


A beleza e a elegância de ISABEL Salvatti que, antes da pandemia, ganharam
estaque em um desses encontros sociais


LUCIANA Zamecki e ANGELA da Rosa marcaram presença em um desses badalados eventos que, antes do isolamento social, reuniram nomes tradicionais da sociedade iguaçuense 

Cinema dentro do carro: a moda dos anos 1930 voltou  

A pandemia causada pelo novo coronavírus mudou a rotina de muita gente. Se no primeiro momento a orientação de ficar em casa foi seguida à risca pela maioria das pessoas, com o passar das semanas, foram surgindo alternativas para sair de casa de maneira segura, evitando o risco de contaminação. É nesse cenário que os cinemas drive-in vêm ressurgindo. Nos Estados Unidos, esse tipo de exibição foi muito comum entre os anos 1930 e 1970, assumindo um papel essencial no entretenimento cultural do país. Naquela época, os drive-in theaters eram uma alternativa de lazer para famílias, que se reuniam dentro do carro nas noites estreladas de fim de semana e assistiam ao novo longa-metragem do momento. Esses espaços também foram cenários de muitos primeiros encontros entre casais, já que a vibe casual dos drive-ins e o preço mais acessível do que o dos cinemas tradicionais também atraía o público jovem. Foi por isso que, em 1958, os EUA chegaram a ter 4.063 espaços espalhados por todo o país. Com o passar do tempo e com o aprimoramento do entretenimento em casa (a TV em cores, por exemplo), os drive-ins foram perdendo espaço. Nos anos 2000, alguns estabelecimentos seguiam abertos, bancados, principalmente, pela nostalgia de quem viveu o auge dos drive-ins. O que ninguém esperava é que, em pleno ano de 2020, o cinema ao ar livre voltaria à ativa e passaria a ser uma opção de entretenimento cobiçada por muitos. Mas, aparentemente, é isso mesmo que está acontecendo. (Fonte: site Novos Tempos)


A arquiteta ELLEM Chemin marcou presença em um desses eventos que,
antes do isolamento social, reuniram nomes tradicionais da sociedade iguaçuense 



     MODULINEA SEMANA DE INAUGURAÇÃO DE 16 A 19 DE JUNHO

Dia dos Namorados: como comemorar a data sem sair de casa

Esse Dia dos Namorados será diferente de qualquer outro. Com o isolamento social, as comemorações tradicionais como ir ao cinema, jantar em restaurantes ou simplesmente dar uma volta pela cidade terão que ser adiadas. Porém, isso não significa que você precisa deixar a data passar em branco. 

Veja duas dicas de como curtir e demonstrar seu amor para seu parceiro dentro de casa. Jantar romântico em casa: em vez de sair para um restaurante, crie o seu próprio jantar romântico. Faça um prato surpresa ou divida a cozinha com seu parceiro e divirtam-se cozinhando juntos. Essa é uma oportunidade para treinar os dotes culinários e fortalecer a relação. Para aqueles que estão separados na quarentena, peça uma tele-entrega surpresa do restaurante preferido para a casa do seu amor.
Maratona de filmes: já pensou em preparar petiscos e convidar seu parceiro para aproveitar o dia fazendo uma maratona de filmes e séries? É uma ótima escolha para aqueles casais que querem passar um tempo juntos, sem gastos e comemorações mirabolantes. As plataformas Netflix Party e Gaze permitem que você veja filmes simultaneamente com seu parceiro, caso vocês dois estejam longe um do outro durante o isolamento. (Fonte: site Questão de Estilo)


DANIELA Costa Fontana e JONATHAN Joaquim dos Santos celebraram o
amor no ensaio fotográfico feito por Jessica Dias

 

A beleza e a simpatia de NICOLE Costa Fontana também
ganham destaque nas páginas sociais