Comerciantes temem novas ondas de saques em Alto Paraná


- Por: Redação 007

Comerciantes temem novas ondas de saques em Alto Paraná

Diversas lojas de pequeno porte localizadas no Departamento de Alto Paraná foram saqueadas na madrugada desta sexta (31). As autoridades reforçaram o patrulhamento para evitar novas investidas nos bairros e, principalmente, na área central de CDE.

A violência em Ciudad del Este explodiu na quinta-feira (30), depois que o governo intensificou as medidas restritivas em função do aumento dos casos de coronavírus. Centenas foram as ruas protestar, mais de 50 pessoas saíram feridas, 54 foram presas, 20 veículos depredados e dois caminhões incendiados. Algumas lojas foram atingidas por pedras e tiros.

Os saques ocorridos nesta madrugada foram registrados no bairro Remansito, onde pequenos comércios foram invadidos. Além de alimentos, foram roubados utensílios domésticos, roupas, ferramentas e até uma bicicleta.

No bairro San Lorenzo, em Porto Franco, a situação foi mais grave. Um grupo de 10 pessoas quebrou vidraças e invadiu a loja R.S. Eletrodomésticos por volta da 1 hora desta madrugada.

De acordo com a ocorrência policial foram roubados diversos artigos esportivos, eletrodomésticos e outros objetos de valor. O proprietário do estabelecimento, Eugenio Silvero, disse ao jornal Ultima Hora que os prejuízos “chegam a G. 30 millones”. A polícia acredita que essa invasão partiu de uma turba ligada ao crime e não de manifestantes.

Caos social
O secretário geral da Prefeitura de Ciudad del Este, Daniel Mujica, disse que o caos social estabelecido em Alto Paraná é resultado da falta de ação e corrupção no governo central e que as manifestações desta semana podem aumentar. “A revolta com as medidas do governo está em todos os setores e isso pode resultar em uma grande convulsão social”, declarou Mujica. 
Situação caótica

O dirigente sindical das pequenas e médias empresas, Miguel Amarilla, informou que a quarentena total imposta pelo governo federal  agravou a situação social e financeira em Ciudad del este. “Foram tentadas diversas alternativas para mitigar a crise, mas nada de efetivo foi realizado, resultando nessa situação caótica”, disse ele. 
“Já tivemos muitas promessas que não foram cumpridas pelas autoridades e agora caminhamos para o fundo do poço”, acrescentou 

Amarilla. 
Manifestantes marcharam pelas ruas de Assunção para protestar contra o governo e em solidariedade a população de Ciudad del Este.

Leia mais na edição impressa.

Relacionadas