Receita Federal em Foz destrói mais de 180 toneladas de cigarros contrabandeados


- Por: Redação 1

Receita Federal em Foz destrói mais de 180 toneladas de cigarros contrabandeados
Equipes da Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal e Força Nacional auxiliaram no transporte da carga 

Mais de 180 toneladas de cigarros contrabandeados do Paraguai (equivalente a 130,8 milhões de unidades) serão destruídas pela Receita Federal do Brasil (RFB) em uma megaoperação iniciada nessa quarta-feira (29), em Foz do Iguaçu. A carga, avaliada em R$ 32,7 milhões, foi trazida de Novo Mundo (MS) e é fruto de diversas apreensões realizadas por forças de segurança no estado. 

O produto foi transportado em 14 carretas sob uma forte escolta, que contou com o ajuda das polícias Federal, Rodoviária Federal e Força Nacional. A ação conta com o apoio do Fórum Nacional Contra a Pirataria e a Ilegalidade (FNCP). O processo de trituração deve durar cerca de 15 dias. 

O objetivo do trabalho é liberar espaço físico nos depósitos da RFB, para que novas apreensões possam ser armazenadas. “A sinergia conquistada com os acordos de cooperação firmados entre a Receita Federal e as entidades representativas dos setores econômicos trouxe enormes benefícios para a sociedade com a redução de custos relativos à destruição de mercadorias e com a eliminação de produtos de qualidade duvidosa e nocivos à saúde”, afirmou o delegado da Alfândega de Foz, auditor fiscal Paulo Bini. 

Esta é a terceira ação de destruição de cigarros ilegais realizada em 2020 com o apoio do Fórum Contra a Pirataria. No primeiro semestre, foram realizadas operações no Rio de Janeiro e no Maranhão.

Para o presidente da FNCP, Edson Vismona, a destruição desse tipo de contrabando é de extrema importância, uma vez que envolve questões de segurança e um forte impacto social. 

“O consumo do cigarro do crime financia a violência urbana, colocando em risco a vida da população e a economia do país. Apenas com esta operação, cerca de R$ 32,7 milhões deixam de financiar o crime organizado especialmente no tráfico de drogas e armas”, ressaltou. 
Somente no primeiro semestre deste ano, a Receita de Mundo Novo (MS) apreendeu R$ 108,97 milhões em mercadorias ilegais, sendo que cerca de 90% (cerca de R$ 91,9 milhões) foram em cigarros do crime. No mesmo período em 2019, as apreensões totais somaram R$ 60,48 milhões, sendo R$ 55,87 milhões em cigarros. 

Em Foz do Iguaçu, a RFB retirou de circulação 169,3 milhões de produtos importados de maneira ilegal no primeiro semestre. R$ 82,8 milhões foram de cigarros. O volume do ilícito cresceu cerca de 50% quando comparado ao mesmo período do ano passado, quando foram apreendidos cerca de R$ 41,8 milhões do produto. 

“Esse aumento expressivo nas apreensões se dá com o crescimento da fiscalização e a maior interação entre órgãos de segurança e a Receita Federal, executando trabalhos de modo conjunto”, afirmou o chefe da equipe de vigilância e repressão da RFB de Novo Mundo, Rodrigo Lara.


Da redação com assessoria 
Foto: Receita Federal 

Leia mais na edição impressa.

Relacionadas