Cooperação entre instituições foi primordial para o projeto de duplicação da Rodovia das Cataratas


- Por: Redação 1

Cooperação entre instituições foi primordial para o projeto de duplicação da Rodovia das Cataratas
A duplicação da BR-469 desencadeará uma onda de investimentos nesta que é a principal via do corredor turístico de Foz 

A cooperação entre o Fundo Iguaçu, Codefoz, Itaipu Binacional, Prefeitura Municipal e Governo do Paraná foi determinante para viabilizar o projeto de duplicação da BR-469, a Rodovia das Cataratas. As lideranças do trade turístico e as entidades empresárias são unânimes em reconhecer a importância da sinergia criada entre as instituições. 
“Quando decidimos abraçar os projetos de infraestrutura, e falo isso no plural e no coletivo, em nome do interesse público, havia muito ceticismo. As pessoas não acreditavam. Éramos ridicularizados. Enfrentamos muitas resistências, debates acalorados. Mas nunca desistimos. Mantivemos o foco. Jamais deixamos de acreditar. Mais difícil do que elaborar bons projetos, discutindo cada detalhe, cada alternativa, era alinhar os astros, convencer tantos atores, fazer a engenharia política e financeira necessárias para executá-los. Nada acontece por acaso. É uma vitória do planejamento e da união”. (Gilmar Piolla, ex-presidente do Fundo Iguaçu)
Os projetos de engenharia começaram a ser elaborados em 2013, através de uma parceria entre a Itaipu e a Gestão Integrada do Turismo. Em 2016, após a obtenção da licença ambiental e anuência do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), os projetos foram doados ao Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit). 
Foram muitas negociações até que, no ano passado, chegou-se a um acordo para a execução do projeto entre a Itaipu Binacional, Governo do Paraná, Prefeitura de Foz, Dnit, DER/PR e governo federal. A Binacional bancará as obras, orçadas em R$ 139,4 milhões. 
Mais do que um sonho da comunidade e do trade de turismo iguaçuense, é consenso entre as lideranças que o projeto de duplicação da BR-469, além de um marco para a mobilidade urbana e um cartão postal para os visitantes, desencadeará uma onda de investimentos nesta que é a principal via do corredor turístico de Foz do Iguaçu. 
“Entregamos todos os volumes dos projetos, readequados e já aprovados pelo Dnit, com a certeza que cumprimos a missão assumida e estamos construindo, juntos, graças a essa parceria com Itaipu, Governo do Paraná e Prefeitura de Foz, uma história de grandes legados para as atuais e futuras gerações”, afirmou o atual presidente do Fundo Iguaçu, Ênio Eidt.
Investimentos, nesta etapa de projetos, somaram cerca de R$ 2 milhões, sendo R$ 1,5 milhão da Itaipu na fase inicial e R$ 560 mil do Fundo Iguaçu, nas readequações finais. O custo dos projetos ficou em torno de 1,5% do valor estimado das obras, ou seja, bem abaixo do custo médio de mercado, que gira em torno de 3% a 4%. O valor da obra está cotado em R$ 139,4 milhões, aproximadamente, investimentos que serão realizados pela Itaipu Binacional. 

Obras complementares
O projeto de duplicação prevê muitas obras complementares. Além da duplicação da rodovia, nos 8,7 quilômetros de extensão a partir do eixo da pista existente, estão previstas marginais de sentido único, em ambos os lados; ciclovia em ambas as margens e em toda a sua extensão; ponte elevada no Rio Tamanduá; trincheiras na Vila Carimã, entrada do Remanso Grande e baixada do arroio Tigre, em frente ao MovieCars; viaduto de acesso ao Aeroporto; rotatória e alargamento das pistas na chegada ao Parque Nacional do Iguaçu; dois pontos de passa-faunas; iluminação especial e paisagismo. 
“Como empresário pela importância para o nosso turismo, para nossa economia; como esportista que pedalo três vezes por semana passando constantemente por ali, ver esse projeto completo, com viadutos e ciclovias é uma das melhores notícias pra nós que amamos essa cidade, um grande presente na comemoração dos 107 anos para a nossa querida Foz do Iguaçu” (Paulo Pulcinelli Filho, diretor executivo da Panorama Home Center)

Conheça mais sobre o Fundo Iguaçu
O Fundo Iguaçu é uma instituição sem fins lucrativos, abastecida com a contribuição voluntária dos turistas sobre os ingressos nos atrativos, principalmente do Parque Nacional do Iguaçu, Itaipu e Marco das Três Fronteiras.
Todas as receitas são investidas em divulgação, marketing, ações de preservação ambiental, como o Onças do Iguaçu, e o controle e monitoramento de velocidade dos veículos no parque, captação de voos, assim como nos projetos de infraestrutura.
“O Fundo Iguaçu desenvolveu diversos projetos de infraestrutura para Foz, sempre com empresas bem conceituadas, que são referência para o setor. Dentre esses projetos, destacamos dois que são emblemáticos: a reforma e ampliação da pista do Aeroporto Internacional e, agora, a entrega da readequação dos projetos de duplicação da Rodovia das Cataratas. Sempre cumprindo compromissos com prazos, metas e a excelência dos projetos”, disse Ênio Eidt, presidente do Fundo Iguaçu. 

Da redação com assessoria 
Fotos: divulgação 

Leia mais na edição impressa.

Relacionadas