Denúncia


- Por: Redação 1

Denúncia

Algumas residências e condomínios instalam a segurança e depois jogam a sobra dos materiais nos terrenos ao lado. Um morador enviou foto do servicinho porco. E olha o perigo para um animal ou criança? 

Diego
Digam o que pensarem, ou quiserem, Diego Armando Maradona foi craque, um monstro sagrado dos estádios, único pelo estilo aguerrido, presença no ataque e malandragem, porque ela faz parte dessa arte de atuar nos gramados. Polêmico, fez da fama um corrimão para a se manifestar em tudo, inclusive na política, mas preferiu seguir fazendo o que mais conhecia e gostava, sempre perto da sua eterna companheira, a bola.

O topo 
Infelizmente, o humano tem essa mania de pódio, de julgar melhores em cada uma das atividades esportivas, culturais, científicas, laborais, o que é uma tremenda bobagem, como compararem Maradona com Pelé, por exemplo. Não há maior e nem menor, há cada um com a sua contribuição e magia, estilo, notabilidade frente às conquistas. Poetas, pintores, escritores, automobilistas, futebolistas, atletas olímpicos, inventores, se destacam pela admiração causada por meio do fruto de suas atividades e no seu devido tempo. Uns resistem, outros desaparecem. Na Argentina, Diego Maradona terá na história, um degrau muito alto, como Evita Perón, Carlos Gardel, Ernesto Che Guevara, Juan Manuel Fangio e um dia, destino cruel de todos os que vivem, chegarão Messi e o Papa Francisco. É assim, vida e história. Quem faz entra nela, quem não faz, desaparece como o pó ao vento. 

Na política...
Como em Foz não há segundo turno, parece que eleições ficaram no passado, mas o assunto ainda pega fogo em muitas cidades brasileiras, como é o caso de São Paulo e Rio de Janeiro. Na terrinha, Chico prepara a transição para o segundo mandato. Contaram para o Corvo que ele tem se reunido com parceiros de governo e está decidindo uma porção de coisas. 

Tranquilidade
Será aparentemente uma transição de exercício apenas, tranquila, sem traumas, mas existe toda uma conversa com secretários e isso em geral, resulta em ajustes. Segundo uma informação, Chico não descarta uma reforma, até porque conta com novos parceiros, como é o caso do vice delegado. No mais, no campo da política será emplacar um sucessor, mas isso só lá por 2024.  

Na Câmara 
Ao contrário das especulações, os “veteranos” na Câmara erstão quietinhos. Tanto Anice como Rogério Quadros estariam apreciando a paisagem, mais aguardando os acontecimentos do quer outra coisa. Com aquela moçada com a faca nos dentes para trabalhar, qualquer pisada em falso pode ganhar muitas interpretações. Mas no geral, muitos “calouros” estão convictos que a ajuda dos dois é fundamental. Há umas questões ideológicas, mas nada que preocupe ou tire o sono. 

Dona Yasmin
A vereadora eleita tirou sarrinhos do GDia nas redes sociais, em razão de suas fotos publicadas na matéria, serem antigas. Os textos estão mais para o humor, do que para a crítica. No sufoco e sem contato, o recurso foi usar material postado nas redes sociais. Com a pandemia, o jornal mantém o distanciamento, e, em geral, as fotos são enviadas pelos políticos quando concedem entrevistas. O GDia se desculpa por qualquer inconveniente, mesmo assim, acreditamos que a ação política está acima da vaidade pessoal, logo, as fotos são muito boas e retratam a entrevistada como ela é. Apenas desejamos prestar um serviço aos leitores em mostrar quem são os eleitos e como se posicionam para a nova legislatura. 

Contas
O Corvo esteve numa terminada empresa e ouviu muitas queixas de penduras por parte de candidatos. Alguns literalmente evaporaram depois do resultado e deixaram continhas bem altas. Publicidade não é coisa barata. O caso é que para muita gente, a poeira ainda não baixou, e olhar o resultado da eleição um grande pesadelo.  Pensa alguém se considerar o ó-do-borogodó em matéria de simpatia e não conseguir mais de 100 votos. Isso mexe com a estrutura. O Corvo já assistiu a muitos filmes assim. Eleição é um caixão de defunto de surpresas.  

Covid-19 em Foz
A doença se alastra e vai incapacitando o atendimento na área da Saúde. Se continuar assim, não terá leitos para receber tantos afetados, além do mais, há outras situações que exigem atenção. As pessoas sofrem acidentes de trânsito, ataques cardíacos, tratam câncer; crianças se machucam; o mundo não pode parar para atender apenas aos casos de coronavírus e como que se faz? Será que isso não é o suficiente para as pessoas entenderem que precisam se proteger e, em muitos casos, voltar para o isolamento? 

Abordagem
A prefeitura está imprimindo uma fiscalização mais intensa por meio da Defesa Civil. A abordagem da última quarta-feira, 25, aconteceu na Região do Porto Meira e Av. Jorge Schimelpfeng, com cerca de 40 estabelecimento visitados e, fiscalizados. Seis não possuíam o TRS ou Termo de Responsabilidade Sanitária; oito receberam readequações e um acabou fechado por desacato. O que se viu, foi um grande número de frequentadores. 

Serviço pesado
As equipes de fiscalização são formadas por servidores públicos, e, eles, no fim das contas, se expõem no cumprimento de suas tarefas. Nada disso seria necessário, caso os estabelecimentos e a população cumprissem os protocolos, e diante da situação, todos mundo já sabe o que deve fazer.  Problema é que existem pessoas “sem noção” para absolutamente nada e leva a vida como não houvesse pandemia. É triste.

Desacato
Um “Corvo colaborador” acompanhou o trabalho de fiscalização e testemunhou, que muitos donos de estabelecimentos ficam até alegres, quando a prefeitura fiscaliza, porque isso os ajuda a reforçar nas mensagens de distanciamento e proteção, por meio da higienização das mãos e de máscaras. Mas nas diligências na noite da quarta-feira, precisaram autuar um estabelecimento porque o proprietário e o filho desacataram a equipe, disseram que segundo o presidente Bolsonaro, não é preciso usar máscara, além do mais, não estavam em acordo com os requisitos. Que barbaridade!    

Natal triste
O Corvo não é pregador do apocalipse, mas do jeito que as coisas caminham, teremos festas de final de ano bem acanhadas e de certa forma tristes, sem a visita de parentes, vizinhos, abraços e aquele clímax da confraternização. Tudo nos leva a pensar, que estaremos no pico da segunda onda e com todas as regras de precaução em voga. Mas dá sim para fazer um Natal bacana, simples, com presentes e tudo o mais, porém, com segurança. Vamos pensar nas famílias que terão o final de ano sem os entes queridos por perto, ou porque estão isolados, doentes, internados, ou pelo fato que se foram, devido o coronavírus. Em Foz, até ontem havia mais de 100 internamentos e 177 pessoas perderam a vida. Só por números assim, a cidade nem terá muito o que festejar.  

Redução?
O Paraná, segundo informações oficiais, teve uma redução de 24,3 mil ocorrências de furtos e roubos. Em Foz do Iguaçu, o saldo positivo seria maior até, 28,9%. Quem teve objetos roubados e a casa invadida no período, pensa diferente, mesmo assim, há um grau de satisfação mediante o trabalho da polícia, que além de agir rápido está conseguindo repor os bens furtados ou roubados. O bom disso é saber que os meliantes vão parar na cadeia.  

Irineu
Quem olha para Irineu Batista de Jesus se impressiona pelo tamanho, é o tipo “guarda-roupa”, mas os que o conhecem, logo descobrem o tamanho de seu coração, simpatia, educação e cordialidade. Foi funcionário do jornal A Gazeta do Iguaçu e como a maioria, trabalhou também no GDia, e, acabou perdendo o posto de trabalho quando a crise nos jornais e veículos de comunicações empinou. Segundo a direção, demitir o Irineu, cortou literalmente o coração. Mas ele, como pessoa de carisma, não teve dificuldades de se adaptar e tocou a vida. O que não esperava, era o fato de precisar lidar com um incêndio, que destruiu sem piedade a sua casa, construída com muito sacrifício para dar conforto à família, mulher e dois filhos pequenos. Não sobrou absolutamente nada, nem as paredes resistiram. 

Apoio
Ao saberem da triste ocorrência, os amigos se mobilizaram e mandaram ver, na busca de uma ajuda para o querido amigo e sua família. O Corvo abraça a causa e pede socorro, para quem puder ajudar com doações, materiais de construção, móveis, roupas, utensílios domésticos, ou o que puderem, porque o fogo é medonho, apaga até a memória, porque num incêndio, vão-se as fotos, as relíquias, os bens de uma família, que por mais simples, possuem um valor inestimável. Portanto, quem puder ajudar, pode entrar em contato com o número (45) 99815-6350. Esperamos que o nosso amigo consiga contornar o triste episódio.
 

Leia mais na edição impressa.

Relacionadas