Foz criou 723 vagas de empregos no mês de outubro


- Por: Redação 1

Foz criou 723 vagas de empregos no mês de outubro
Apesar da crise gerada pela pandemia, Foz do Iguaçu gerou 723 empregos em outubro

O balanço foi divulgado nesta quinta-feira (26) pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), ligado ao Ministério da Economia. Apesar da crise gerada pela pandemia, Foz do Iguaçu gerou 723 empregos.
Foz do Iguaçu perdeu para Curitiba (11.704), Ponta Grossa (1.771), Maringá (1.413), Londrina (1.256) e Cascavel (929).
Ultrapassou Toledo (597), São José dos Pinhais (546), Pinhais (504) e Apucarana (502). Em outubro, todas as 25 maiores cidades paranaenses registraram saldos positivos.

O estado do Paraná abriu um total 33.008 vagas formais de trabalho em outubro, terceiro melhor resultado do País em volume de carteiras assinadas. O Estado registra o quinto mês seguido de alta nas contratações, e se recupera dos efeitos mais severos da pandemia, que fechou cerca de 100 mil postos de trabalho.
Os números de outubro foram os melhores do ano, com crescimento de quase 70% em relação a setembro, que apontou 19.578 vagas criadas. O resultado também representa mais de 8% dos 394.989 empregos gerados em todo o território nacional no mês passado.
Os setores que mais criaram vagas foram serviços (12.391), comércio (9.423), indústria (8.452) e construção civil (3.074). Um destaque positivo é a área de informação, comunicação e atividades financeiras, imobiliárias, profissionais e administrativas, que está enquadrada no segmento de serviços, com 8.895 novas carteiras assinadas.

Estratégia
Para o governador Carlos Massa Ratinho Junior, os números refletem o acerto na estratégia do Governo do Estado de valorizar a produção local e investir em obras estruturantes como base da recuperação de empregos. Ele também disse que os números espelham o crescimento que o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) havia constatado em setembro na indústria (7,7%), no comércio (2,6%), no turismo (11,7%) e em serviços (1,2%).

“São dados animadores que se somam à retomada dos empregos. Este é o melhor programa social que existe e aquele que conforta as famílias. Estamos buscando investimentos junto ao setor produtivo, facilitando o acesso ao crédito e estimulando ainda mais o empreendedorismo com programas de desburocratização”, afirmou Ratinho Junior.


Da redação com AEN

Leia mais na edição impressa.

Relacionadas