Município garante acolhimento digno e organizado para pessoas em situação de rua


- Por: Redação 1

Município garante acolhimento digno e organizado para pessoas em situação de rua
Foz tem 181vagas para acolhimento de homens, mulheres, famílias e idosos

A Secretaria de Assistência Social de Foz do Iguaçu reforçou o serviço de abordagem social para garantir o atendimento a pessoas em situação de rua durante o inverno. Foram cerca de 140 abrigados somente na última quarta-feira, 28, quando os termômetros chegaram a registrar 0ºC durante a madrugada. 
Para receber mais pessoas durante os dias frios desta e da próxima semana em que, segundo a previsão do Sistema de Tecnologia e Monitoramento Ambiental do Paraná (Simepar), as temperaturas mínimas não devem passar dos 10ºC, a oferta de vagas foi ampliada para 181, dividida entre homens, mulheres, famílias e idosos. 
Todo o processo de acolhimento é feito de maneira organizada, seguindo protocolos de triagem no Centro Pop (Centro Especializado de Assistência Social para a População em Situação de Rua), no Jardim São Paulo, onde é determinado para qual casa de passagem a pessoa será encaminhada.
Segundo o secretário de Assistência Social, Elias Souza, o município é referência no Paraná em políticas públicas voltadas à população em situação de rua. 
“Não há como deixar de elaborar ações para proteger essa população vulnerável. Não podemos agir de maneira autoritária e obrigar alguém a aceitar o acolhimento, isso depende de cada pessoa. Entretanto, em casos de negação, entregamos cobertores para que elas tenham a mínima condição de passar a noite”, disse Elias. 
O secretário garante ainda que nenhuma pessoa fica sem assistência, pois o serviço de abordagem social atua diariamente, 24h por dia, em uma busca ativa por pessoas mais vulneráveis. As equipes da Assistência Social contam também com a ajuda da população, que pode relatar situações de risco pelo 08000 45 14 07. 
“Nossa medida emergencial foi ampliar vagas para realizar um atendimento digno, onde eles possam passar uma noite em segurança e ainda recebem, via Centro Pop, roupas, alimentação e podem utilizar o espaço para tomar banho”, contou a diretora de Proteção Social Especial, Dayse Mara Bortoli.
Segundo a diretora, é feito um levantamento diário da demanda, para organizar ações e ampliar o número de vagas novamente, caso seja necessário, para abrigar quem deseja receber o acolhimento. 

Doações
A Secretaria de Assistência Social conta com ajuda de parceiros e da população para doações de roupas, calçados e cobertores, itens ofertados aos usuários durante o acolhimento e às pessoas que não aceitam ir para as casas de passagem. 
As doações podem ser entregues de segunda a sexta-feira, das 8h às 12h e das 13h30 às 17h30, na Secretaria de Assistência Social, na Av. Jorge Schimmelpfeng, 111, em frente à Igreja São João Batista. 

Estrutura
As casas funcionam como um abrigo provisório, onde jovens, adultos e idosos podem permanecer por até 90 dias. Nos locais são disponibilizadas refeições, produtos de higiene pessoal e roupas. Também são promovidas ações para o fortalecimento da autonomia da população em situação de rua. 
A Casa de Passagem I – Mão Amiga, localizada no Jardim São Paulo, atende idosos, famílias ou mulheres com crianças. A Casa de Passagem II, no Porto Belo, atende somente o público masculino e a Casa de Passagem III – Albergue Noturno Lar Esperança, no Jardim América, atende homens e mulheres, com prioridade de vagas para migrantes e refugiados.

AMN
 

Leia mais na edição impressa.

Relacionadas