Prefeitura suspende por 14 dias bailes e festas com dança e contato físico


- Por: Redação 1

Prefeitura suspende por 14 dias bailes e festas com dança e contato físico
Na retomada das ações, 40 estabelecimentos foram visitados

A Prefeitura vai radicalizar com medidas restritivas e fiscalizações para conter a disparada de infecções e óbitos provocados por complicações do novo Coronavírus (Covid-19) em Foz do Iguaçu. Em novo decreto, o governo municipal suspendeu, por um período de 14 dias, a realização de bailes e festas que envolvam dança e contato físico. Nesta quinta-feira (26), o município registrou 216 novos casos e mais quatro óbitos.

As medidas restritivas tiveram início da noite de quarta-feira (25), com uma fiscalização promovida pela Defesa Civil nas regiões do Porto Meira (Sul) e Avenida Jorge Schimmelpfeng (centro). Na ação, foram visitados 40 estabelecimentos. Destes, seis estavam sem o termo de responsabilidade sanitária, oito receberam readequações e um foi fechado por desacato à autoridade.
No novo decreto, assinado pelo prefeito Chico Brasileiro, e os secretários Eliane Dávila Sávio (Administração), Giuliano Inzis (Saúde), Salete Horst (Fazenda) e Gilmar Piolla (Turismo, Indústria, Comércio e Projetos Estratégicos), ficam suspensos, além de bailes e festas, reuniões familiares e eventos com música ao vivo ou mecânica, com dança e contato físico.
Nos eventos sociais, segundo a normativa, fica permitida a atividade muisical, sendo proibida pistas ou espaços dançantes, respeitando as medidas estabelecidasno decreto 28.303/2020. São considerados eventos sociais bailes, casamentos, confraternizações, festas infantis ou similares, colação de grau e formaturas, dentre outros.
A medida, que está amparada na Lei Orgânica do Município, entrou em vigor logo após a publicação ontem (26). A decisão está baseada no aumento expressivo de casos da Covid-19 no município, bem como as taxas de ocupação de leitos especiais para pacientes de Covid-19.

Estatística
Novembro já figura como o mês com o maior número de casos da doença em Foz do Iguaçu, desde o início da pandemia, em março. De acordo com a Vigilância Epidemiológica, são 3.433 casos registrados do dia 1º até ontem, e 35 mortes pela doença. A ocupação de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) chegou a 86%, mesmo com a instalação de novas camas especiais.

O segundo mês com maior número de casos, de acordo com a Vigilância Epidemiológica, é julho, com 2.447 e outubro, com 2.216. Setembro, no entanto, foi o mês com maior número de óbitos - 42 ao todo. "A situação está chegando perto do limite que não queríamos que chegasse", disse o vice-prefeito Nilton Bobato. 

"Estamos muito próximos da capacidade de esgotamento da assistência. Instalamos mais 10 leitos de UTI no Hospital Municipal e estamos lutando para contratar mais funcionários", relatou Bobato.

Que completou: "Mas precisamos eliminar a transmissão do vírus e para isso, vamos intensificar a rodada de fiscalização nos finais de semana para por fim às aglomerações em casas noturnas, festas clandestinas e espaços que não estiverem dispostos a seguir os protocolos sanitários".


Ronildo Pimentel

Leia mais na edição impressa.

Relacionadas