Retomada econômica


- Por: Redação 1

Retomada econômica

Muitos setores estão animados com a aproximação de um período de recuperação e isso tem nome: “esperança”. E não dá para nutrir outro comportamento, porque quem joga a toalha, levará muito mais tempo para se levantar. A “fé não costuma faiá”.

Mito das “Comorbidades”
O Corvo recebe uma porção de mensagens sobre quem pode ou não tomar vacina. A lista de comorbidades é facilmente encontrada nos sites oficiais, ligados à área de Saúde e que trabalham o tema da covid. Não dá para acreditar em fake news. “Seo Corvo, eu tenho depressão e faço tratamento a mais de 20 anos, posso ir lá no posto tomar a vacina, independentemente da idade?”. Não pode, precisa aguardar a vez, ou o anúncio de imunização na sua faixa etária. Há quem quebre a unha e acredita que por causa disso, pode furar a fila. Não pode.  

Quais são...
Para dar uma forcinha aos leitores, as comorbidades, perante o sistema nacional de vacinação são: Insuficiência cardíaca, Cor-pulmonale e hipertensão pulmonar, Cardiopatia hipertensiva, Síndrome coronariana, Valvopatias, Miocardiopatias e pericardiopatias, Doença da aorta, dos grandes vasos e fístolas arteriovenosas, Arritmias cardíacas, Cardiopatias congênitas no adulto, Próteses valvares e dispositivos cardíacos implantados, Diabete mellitus, Pneumopatias crônicas graves, Hipertensão arterial resistente, Hipertensão arterial estágio 3, Hipertensão estágios 1 e 2 com lesão de órgãos alvos, Doença cerebrovascular, Doença renal crônica, Imunossuprimidos, Anemia falciforme, Obesidade mórbida, Cirrose hepática e HIV. A lista publicada aqui está de acordo com o Ministério da Saúde e Governo de São Paulo. Mesmo assim é importante consultar a área de Saúde antes de ir ao posto se vacinar.  

Vacinação em disparada
Em Foz vale a pena esperar. Segundo uma informação que o Corvo conseguiu, é provável que até o final do próximo mês, julho, pessoas na faixa dos 20 anos estejam vacinadas. Com vacina a fila anda. 

O Corvo errou
Mediante o novo decreto, os restaurantes de Foz poderão funcionar até as 22 horas, mas devem parar de receber clientes uma hora mais cedo às 21 horas. Este colunista escreveu que as portas dos estabelecimentos devem baixar 21 horas. Em verdade, serão fechadas depois do último cliente sair. Tá feito o reparo. O povo já sofre tanto com os horários e aparece um bicudo publicando notícia errada?  

Bolsonaro abre o cofre
O governo mudou a estratégia de lidar com a crise. O presidente deve autorizar novas fases do auxílio emergencial e uma nova postura para o Bolsa Família. Em geral, é o ministro da Saúde quem se antecipa a esse tipo de anúncios. Desta vez o governo sacou mais rápido. O auxílio pode ser de R$ 300, até dezembro. 

Gabinete paralelo? 
Falam tanto nesse tal de “gabinete paralelo” como isso fosse coisa do outro mundo. Mas afinal é crime? Qual o problema, um presidente se acercar de pessoas da sua confiança, para pedir opinião? Segundo a ministra Rosa Weber é uma situação gravíssima, porque fere o controle do poder e em caso de uma decisão errada, não se saberá a quem responsabilizar. A coluna consultou especialistas no direito em administração pública e em teoria, o que um presidente, governador e até prefeito pode fazer, é pagar essas pessoas, o que não ocorre em Brasília, ao que se sabe. A Casa Branca é cheia de apoiadores dando pitaco, para orientar o presidente, defendem os bolsonaristas. “Por que lá pode, e aqui não? Perguntam. Bom, para começo de conversa, é outro país.

O tal do Caboclo
Contaram para o Corvo que o afastamento do presidente da CBF gerou um ar de alívio em todo o meio futebolístico. A opinião é geral e estão matutando um jeito de deixarem o Caboclo no roçado.  

Witzel
O povo do governo se esforçou na tentativa de blindar o ex-governador do Rio, Wilson Witzel. Mas ele não quis saber de agradecer, pelo contrário, não usou o direito de ficar calado e mandou ver contra o Ministério da Saúde.

Riscos de apagão
Dizem que a coisa está feia e algumas cidades podem ser surpreendidas com a falta de energia nos horários de pico. Prefeituras estão se antecipando e em alguns casos, usando até carros de som no início da noite. “Não gaste água no banho, só um chuvisco na entrada e outro na saída, faz o serviço”. Mas o povo preciso dar um jeito de economizar, porque tem gente dando exemplo, guardando até a água da chuva, a que sai dos aparelhos de ar condicionado, e reaproveitando o descarte da máquina de lavar, para a limpeza do chão.  

Huck no domingão
O Corvo também está de olho nas variedades, porque trancado em casa, especialmente no domingo, não há outra alternativa. O jornalista Tiago Leifer quebrou o galho do Faustão no último final de semana e Luciano Huck é quem deve substituir o apresentador depois de dezembro, com um programa repaginado. Parece que não ocorrem apenas problemas contratuais, mas o velho Fausto Silva de guerra, anda um tanto cansado, depois de tanto tempo na telinha.  

Trocou a presidência pela telinha
Vira e mexe, aparecem com uma ciscada do Huck na área da política, ou para o governo de São Paulo ou presidência da República. Quem conhece a vida íntima do apresentador, garante que dona Angélica não gosta nada da ideia do maridão metido na política. O Corvo pede licença ao nobre Flávio Ricco pelos pitacos na sua área, que é bastidor das redes de Tv. 

Paulo Colorido 
Quem diria, o ex-vereador Paulo Rocha consegue chamar a atenção até quando usa a tornozeleira, em casa. Segundo as notícias que vazaram, ele anda reclamando da comida servida no cadeião, mas pior não é isso: Rocha se compara a Nelson Mandela, ou pelo menos, se inspiraria no líder sul-africano. Ai, o Corvo precisa molhar o bico, urgente!  

 

A marca do sucesso
Corvo, que beleza a página sobre a história da Rádio Cultura no suplemento de aniversário da cidade! Faltou uma foto do Hotel Cassino, onde a emissora funcionou nos primeiros meses. Reza a lenda, que o cozinheiro batia o bife e o ruído saía nos microfones, porque a Rádio ficava bem em cima da cozinha. Depois é que construíram o prédio na Rua D. Pedro II, onde havia até um auditório. A cidade se encontrava lá. Muitos anos após, ocuparam um imóvel na Rua Marechal Floriano, em seguida, no início da Costa e Silva, na antiga casa do Mineirinho, de onde se mudaram para o novo endereço. Todo iguaçuense tem um pedacinho da Rádio no coração.
Theobaldo F. R. Silva

O Corvo responde: A Rádio Cultura é o meio de comunicação mais tradicional da cidade e por isso, além da credibilidade, acumula respeito coletivo. Na foto os sócios Mauro Hanzen, Veraldo Barbiero e Moacir Hanzen.  

Livro novo no pedaço! 
Acontece a pré-venda do título “Além dos limites”, (Editora Alameda Páginas, 246 páginas), organizado por Micael Alvino da Silva e Isabelle Christine Somma de Castro. Apresentando os autores aqui, Micael é doutor em História Social pela Universidade de São Paulo e professor adjunto na Universidade Federal da Integração Latino-Americana. Isabelle é doutora em História Social pela Universidade de São Paulo e pesquisadora do Núcleo de Pesquisa em Relações Internacionais (Nupri-USP).

 

Além dos Limites
Segundo Micael, o trabalho relata “como a Tríplice Fronteira se insere nas relações internacionais na virada do século XX para o XXI? Nesse livro coletivo, que reúne pesquisadores do Brasil, da Argentina e dos Estados Unidos, ensaiamos uma resposta: por meio da integração regional (infraestrutura viária – pontes, estrada – e Itaipu Binacional) e comércio internacional (triangulação China-Paraguai-Brasil e imigração – chinesa e árabe). Segundo o professor Rafel Duarte Villa da USP, “as temáticas referenciadas combinam fronteira, percepções sobre terrorismo, construção de instituições na fronteira e percepções negativizadas (securitização), tratadas de forma crítica e consistente na presente obra, que virá se transformar numa das principais referências da literatura que trata da Tríplice Fronteira”. Vamos aguardar o lançamento. O título deve chegar impresso na semana que vem e é quando organizarão a apresentação aos leitores. 

Sem a Das Graças
O Corvo, diante do martírio da colunista, e sofrimento do filho Marco Freire, vários e intermináveis dias ao lado da UTI, depois da mãe passar por uma cirurgia, não viu outra saída a não ser imprimir algumas palavras de conforto. Marco se desdobrou informando os amigos e a toda sociedade sobre o estado de sua mãezinha. Cada mensagem dele nos trazia a noção de sua tristeza. O jornal, com a nota, circulou praticamente no momento em que Das Graças se despediu. Reforçamos nosso apoio ao Marco e os votos que supere a dor.

Leia mais na edição impressa.

Relacionadas